Twitter

AOS CANDANGOS - DF... Sim, ação imediatista do GDF, e sai a contratação de 200 médicos temporários, sendo 156 enfermeiros e demais profissionais. O anúncio veio do próprio governador Ibaneis Rocha, em evento hoje, 22, em ação de combate à dengue, no Sol Nascente/Pôr do Sol.
AOS DAMORIDAS - RR...'Falastrão', 'falso', 'só lábia', 'promete, mas, nunca cumpre'...Eis alguns adjetivos q o próprio povo que trabala, ou q trabalhava, ou ainda q apoiava o prefeito André, do Cantá. Cansados de receber só enrolação do prefeito, muitos dizem q darão o troco em outubro, nas urnas.  Tem vereador q já está conversando c/ Roberta, "ela tem palavra", garante seu eleitorado.
AOS JARAQUIS - AM... A deputada Débora Menezes mantém sua 'pegada' republicana, e por meio de suas redes sociais já confirmou presença na manifestação em apoio ao ex-presidente Jair Bolsonaro, convocada pelo próprio ex-presidente, também em suas redes sociais, em evento que acontecerá na Av. Paulista, em São Paulo, neste domingo (25). Cel. Menezes, que postula concorrer à Prefeitura de Manaus, também estará ao lado da filha.

24 de fevereiro de 2024

1200X200 - Copia
IMG_6988
650x90
IMG_7172
O BRASIL TEM MULHER PRETA FALANDO DA SUA HISTÓRIA
Em 21 de novembro de 2023
IMG_3419

Compartilhe

POR Fabiana Guia, 36, jornalista pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), repórter especial do Portal Correio Nagô, o mais antigo veículo de mídia negra e independente de Salvador.

Em qualquer ponto do Brasil tem mulher preta comunicando suas histórias com pertencimento

Formar e atuar no jornalismo é uma escolha desafiadora para mulheres negras e nordestinas. Em muitos casos, decidir pela profissão se baseia na paixão e, ousaria dizer, que a vontade de causar transformações sociais por onde passamos tem bastante relevância.

Foi o que me moveu, é o que me move, especialmente atuar em veículos independentes, de impacto social e plurais, como o Portal Correio Nagô.

Vale salientar que são esses os que mais agonizam para sobreviver.

E a centralização de recursos em outras regiões do país exporta tantas profissionais para longe do seu território na busca de mais oportunidades e melhores salários.

 

Se fosse diferente, a jornalista Gislene Ramos, 37, que vive há 6 anos em São Paulo, não teria necessidade de migrar para fazer especialização em jornalismo negro.

“Não encontrei algo que contemplasse o tema na Bahia, achei a pós-graduação em Relações Étnico-raciais na USP. Me inscrevi sem perspectiva de passar, fui aprovada e tive que migrar”, lembrou a jornalista criadora da revista Aonde?! e gestora do site Fala Preta, mídia preta e periférica.Como muitas de nós, Gislene se incomodava com as mesmas perspectivas das pautas que produzia nos veículos convencionais.

“Já tinha passado por grandes jornais e as histórias não me incitavam. A cada novo ano, o viés era igual”,

 

Como pautar a Justiça Racial na cobertura da Justiça Climática

Como respeitar a diversidade no fotojornalismo

Como construir uma equipe racialmente diversa

 

Hoje, ela ampliou sua atuação para publicidade e leva sua perspectiva racial e cultural para as disputas de poder e de narrativas neste espaço.

Por via um pouco diferente, a jornalista de Cachoeira, no Recôncavo Baiano, Lorena Ifé, 34, contou que a sua trajetória na comunicação foi de encontro com organizações do terceiro setor.  “Por ser negra, ter trabalhado na periferia, com jovens e políticas sociais, consegui conquistar e consolidar minha carreira em Salvador”, complementou Lorena, que também comanda o Afrodengo, comunidade de relacionamento afrocentrado.

Vale dizer, que Lorena trilhou um caminho comum para muitas de nós, em busca de acolhimento e aquilombamento, sentimentos raros em empresas convencionais. “Já me senti muito oprimida em espaço com chefes brancos e inclusive já pedi demissão de lugares porque percebi o ambiente de opressão, adoecedor, quando existia uma questão de hierarquia racial”, relatou Ifé.

Se em 2023 cenários do tipo são comuns, imagina para a jornalista baiana, Cristina Viana, 60, que em 1994, entrou para o curso de jornalismo da UFBA e se tornou a primeira mulher preta a liderar o setor de jornalismo de uma grande emissora no estado.

“Uma vez conversando com uma liderada sobre o texto, chamei a atenção dela, e ela não ficou satisfeita; saiu imitando um macaco pelos corredores da redação”, contou Cristina, que durante sua jornada na comunicação nos anos 2000, sofreu diversas formas de violência, a ponto de ser diagnosticada com depressão e trauma por estresse devido ao racismo.

 

A menina que nasceu na periferia próxima do tradicional bairro do Rio Vermelho cresceu através do aprendizado incansável e competência dentro da TV foi levada à pensamentos de desistência pela opressão, mas não desistiu.

Afinal, ela já trouxe para casa o prêmio Camião Coutuval 2020, da Colômbia, de melhor documentário de diversidade e inclusão. Ou seja, continua contando nossas histórias por onde passa.

 

Play Video
Play Video
300x250 (1)